quinta-feira, 17 de maio de 2018

OS FANTASMAS ESTÃO VOLTANDO: ARGENTINA 2001 E BRASIL 2002

Os fantasmas da ganância do capital e dos seus representantes estão de volta. Eles não suportam a democracia e que o países  ( nações) chamados por eles de periférico tenha um lugar de distinção no seu mundo. 
2001  na Argentina e 2002 no Brasil são por assim dizer, exemplos mais ou menos recentes da investida nojenta e violenta sobre a tênue resistência daqueles que ainda ousam levantar a cabeça, pois a grande maioria já assimilaram  a sindrome da avestruz e agora temos a sindrome do PATO
imagens da internet.
Por acaso, estes movimentos sempre acontece próximo de eleições. O  candidato mais fiel  ao capital não tem voto e os menos infiéis tem votos. Pois o capital que é ciumento e possessivo. Ele   não aceita nem um olhar para o lado, onde está a grande multidão que o sustenta. Pois  são os países" periféricos" que produzem  o seu alimento, seus carros, o materia prima do petróleo, das tecnologia, dos medicamento e do seu conforto e  todavia são desprezados e  rejeitados. O exemplo é o tratamento dado aos imigrantes pobres.
Em  2001 o capital quebrou a argentina, mais o povo não escolheu o candidato oficial do mercado nas eleições de 2003. Em meados de  maio de 2002  o  capital usou a chatangem do dolar  que ultrapassou a barreira dos R$ 4,00. 
Hoje o filme já iniciou e pelo jeito eles farão outro teste á a barreira dos R$,4,50 para o dolar e R$ 5,00 para a gasolina. E o mais gozado de tudo isso é que não temos inflação.  Pois no brasil os indíces de inflação as vezes são usados para reajuste de salários. 
Em 2002, o Brasil tinha apenas 32 BILHÕES de reservas de dolares americanos, parte deste dinheiro foi emprestimo do FMI em 1999, quando o o real perdeu a metade do seu valor de compra. Desde 2016  o país tem 380 BILHÕES e grande parte do  povo que trabalhor para gerar esta riqueza, está desempregado e individado. Pois o "Partido dos trabalhadores" mesmo seguindo a cartilha do capital, não foi digno  de confiança das elites financeiras. É preciso alguém  mais fiel ao capital. A pergunta que não quer calar  é essa. O que isso significará para o trabalhador? Parece que já temos dois anos de amostra gratis dos 20 anos da PEC do teto dos gastos, a lei que congelou as despesas do País com os gastos com a população e deixou livres os gastos com os juros da divida interna e externa.
Pe. Antonio Rodrigues

Um comentário:

  1. Os "patos" foram usados e ainda não se deram conta ou se deram estão se fazendo de desentendidos! Acordam cobaias!!!

    ResponderExcluir