terça-feira, 23 de outubro de 2018

O DIA DA RENDIÇÃO NÃO VAI CHEGAR

Temo que estejamos vivendo a última semana de liberdade, ainda que relativa e tardia, dentro do nosso regime democrático reestabelecido em 1985.

Vivo dizendo, como muitos, que o fascismo não se tolera, se combate. (Ricardo Stuckert/Divulgação)
Por Ricardo Soares

Você pode achar que o texto a seguir é dramático e será um direito seu. Como é direito meu, emissor, lhe advertir que temo que estejamos vivendo a última semana de liberdade, ainda que relativa e tardia, dentro do nosso regime democrático reestabelecido em 1985. Desde então vivemos 33 anos de boas (ou nem tanto) expectativas diante do nosso futuro. Agora só tememos por ele diante das trombetas do apocalipse que anunciam um demônio exterminador.

Sim, de novo, você pode achar que o texto é dramático e é seu direito. Mas não vejo porque devamos nos calar, não vejo porque não devamos denunciar um elemento da mais alta periculosidade que com sua malta de lunáticos escravocratas olham para o Brasil como se fosse um bife mal passado prestes a ser devorado pelos seus molares sanguinolentos.

Mesmo as mais xenófobas tendências de direita na Europa, mesmo os mais conservadores jornalistas americanos ,franceses ou portugas estão estarrecidos diante dessa tsunami de cegueira e insanidade que ameaça engolfar o Brasil. Vivo dizendo, como muitos, que o fascismo não se tolera, se combate. É uma premissa antiga, verdadeira. Ainda mais que não se tem conhecimento de nenhum regime fascista que tenha resultado em algo bom . Muito menos para o povo que o elege.

Parece que agora não é mais a hora de se procurarem os culpados por termos chegado a tamanha barbaridade. Mas desde já é hora de combatê-la . Esse sim é o bom combate e teremos que todos os dias nos lembrarmos disso se disso quisermos sair. 

Ao escrever essas mal traçadas de forma alguma estou assinando um atestado de derrota antecipada. E nem tenho um túnel do tempo para saber como será a segunda feira pós eleição. A segunda feira dia 29 de outubro de 2018 . Mas de uma coisa tenho certeza. A data ficará tatuada no coração e mente da nação como o dia da libertação ou dia decepção. Mas jamais será o dia da rendição.

Ricardo Soares é diretor de tv, roteirista, escritor e jornalista. 

Fonte: Domtotal

Nenhum comentário:

Postar um comentário