sábado, 6 de julho de 2019

FÉ E SENSATEZ, PARA RESISTIR A TEMPOS DIFÍCEIS


Uma fé sólida e lúcida é propulsora da esperança.
 (Naassom Azevedo/ Unsplash)

Em tempos difíceis, a religião pode ser apoio para a vida ou corroborar para o adoecimento.
Em tempos de escassez de sentido, o desespero e outros adoecimentos psíquicos são um risco real. Todos conhecemos pessoas que têm sido vítimas destes tempos difíceis – quiçá sejamos nós mesmos estas pessoas. As religiões, nesse contexto, podem servir tanto como um apoio importante, para ajudar na lida com essas situações, bem como podem ser caminho de alienação e de mais adoecimento. É, certo, porém, que quando elas levam as pessoas a um caminho de alienação e adoecimento, elas deixaram de cumprir seu papel.
Os brasileiros e brasileiras, em sua maioria, afirmam-se cristãos e cristãs. Pertencentes ou não a alguma tradição religiosa, confessam-se ligados à fé que tem a pessoa de Jesus Cristo como centro. Temos visto, no entanto, a manifestação constante de pessoas confessas cristãs, que mostram viver uma religiosidade pretensa cristã, mas que não tem o Cristo como fundamento da fé. Muitas lideranças, que ocupam com grande conforto as mídias, sejam elas as sociais ou as digitais, têm apregoando uma religião cristã sem Cristo. O resultado disso, temos podido ver, é uma fé que não transforma e, com isso, uma vivência religiosa insensata que só tem trazido mais danos para as pessoas desses nossos tempos tão carentes de sentido.
O cristianismo precisa voltar às suas fontes para cumprir de modo eficaz, legítimo e saudável sua missão. Vencer a tentação de ocupar espaço na sociedade, sem qualquer critério de responsabilidade, é tarefa urgente. A missão cristã só se realiza, de modo concreto e fiel, quando se torna uma alternativa legítima de sentido de vida para as pessoas, que podem se deixar transformar por uma Boa-Notícia. O Evangelho, longe de dúvidas, é uma possibilidade real de gerar sentido na vida das pessoas e, nesse sentido, o papel dos cristãos e cristãs é ofertar uma palavra responsável para os homens e mulheres de nosso tempo.
O disparate político-social que temos vivido em nosso país, quando o fascismo penetrou inclusive o discurso religioso, pode ser vivido com o sentido que nasce da fé – e da sensatez que a deve acompanhar – de modo que não cedamos ao desespero e à distopia. Uma fé sólida, em constante processo de amadurecimento, e lúcida é propulsora da esperança. Valorizar o testemunho de cristãos e cristãs que têm vivido a fé com lucidez pode ser um caminho inspirador para nós. E, ao mesmo, viver nossa fé criticamente, sempre atentos àqueles que se apropriam do discurso religioso, pretensamente cristão, para semear o ódio e sepultar o Evangelho. Nessa esteira, o Dom Especial desta semana se propõe a refletir caminhos de fé e de sensatez, para resistirmos a esses tempos difíceis.
Compõem nossa reflexão: Solange Maria do Carmo, com o artigo Sem sentido, no qual resgata o valor da religião, em sua relação com o sentido para, a partir disso, refletir, inspirada no Livro de Jó, a questão da apropriação ilegítima do religioso para defender o indefensável, tal como ocorrido na fatídica Marcha para Jesus. A superação desse cenário é possível, quando damos espaço em nossa vida de fé para a sabedoria. É o que nos ajuda a refletir Junior Vasconcelos Amaral, no artigo Sabedoria x idolatria: o sábio vive pela fé, em que propõe uma leitura da sabedoria de inspiração bíblica, para iluminar o comprometimento da vida dos cristãos e cristãs de nosso tempo. Por fim, Rodrigo Ferreira da Costa, no artigo O discernimento religioso que não aliena da vida, propõe uma leitura a respeito da importância da religião na vida humana, quando vivida fundada no discernimento, para que a vida não seja desligada da experiência religiosa e não caiamos numa alienação infrutífera e anticristã.
 Boa leitura!
*Felipe Magalhães Francisco é teólogo. Articula a Editoria de Religião deste portal. É autor do livro de poemas Imprevisto (Penalux, 2015). E-mail: felipe.mfrancisco.teologia@gmail.com.

Fonte:domtotal.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário