quarta-feira, 4 de março de 2020

'BOM' SAMARITANO: 'IMPURO' E 'ODIADO' COMO EXEMPLO

O samaritano apontado pela Campanha da Fraternidade de 2020 como modelo e exemplo a ser seguido
Lema da Campanha da Fraternidade 2020 é retirado da parábola do bom samaritano (Lumo Project/ Free Bible Images)

O tema da Campanha da Fraternidade 2020, Fraternidade e vida, dom e compromisso, e seu Lema, Viu, sentiu compaixão e cuidou dele (Lc 10,33-34), convidam-nos a pensar e a agir tendo o "bom" samaritano como exemplo, conforme o episódio-parábola narrado por Lucas (Lc 10,25-37). Ali, o contexto histórico apresentado trás muitas semelhanças com o atual. Nele também é demonstrado como o samaritano conseguiu manter o coração aberto e mãos solidárias a partir de quem estava, segundo Teresinha de Jesus, "metade vivo, metade morto".

O início da vida pública de Jesus Cristo foi marcado por grande e crescente receptividade ao seu projeto (ensinamento e práxis) pelo povo empobrecido. A princípio, ele fascinava a todos. “As multidões acorriam para Jesus” (Lc 6,17-19), que, pouco a pouco, foi aprofundando a própria postura e radicalizando sua opção pelos pobres, marginalizados e excluídos da sociedade (Lc 4,18-19). A "lua de mel" com "gregos e troianos" – era de “paz e amor” – durou pouco. Começaram a surgir conflitos com poderosos (Lc 13,31), pois sua prática incomodava os interesses dos que viviam explorando e escravizando o povo. Jesus descobriu que precisava formar melhor seus discípulos e discípulas, pois viu que a adesão popular inicial era fogo de palha e oba oba. Com o avanço de sua missão pública, os conflitos com os poderosos da economia, da política e da religião foram aumentando gradativamente. Em seus últimos dias, os embates de Jesus com as autoridades judaicas e grupos religioso-políticos renomados se intensificaram (Como por exemplo: Lc 19,45-46; 20,9-26; 21,1-4; 22,2.52; todo o capítulo 23. Cf. PALLARES, 1994, p. 117).

Quem eram os samaritanos para os judeus e vice-versa? Por razões históricas, reinava entre os dois povos um grande ódio. Alguns motivos aparecem na Bíblia ao falar da infidelidade religiosa. Por exemplo, samaritanos fazem resistência à reconstrução do templo de Jerusalém, após o retorno do exílio babilônico (Cf. 2Rs 17,24-41 e Esd 4,1-5). Em Eclesiástico 50,25-26, eles são considerados "um povo estúpido". Talvez essa passagem tenha influenciado o Evangelho de João (Jo 4,9), onde diz que os samaritanos não se davam bem com os judeus e onde (Jo 8,48) estes acusam Jesus de ser um daqueles (portanto, um endemoniado). Uma interpretação rabínica de Êxodo 21,14 diz expressamente que os samaritanos não são "próximos". "Do lado judeu, a hostilidade era tão grande que nas sinagogas os samaritanos eram frequentemente malditos; os judeus rezavam a Deus para não dar a eles nenhuma parte na vida eterna, recusavam um testemunho feito por um samaritano, não aceitavam nenhum serviço deles" (FEUILLET, 1980, p. 345).

"As relações entre os judeus e os mestiços samaritanos, que estiveram submetidas às mais diversas oscilações, tinham experimentado nos tempos de Jesus especial agravamento, depois que os samaritanos, entre os anos 6 e 9 da Era Cristã, em Jerusalém, durante uma festa da Páscoa, por volta da meia‑noite, tornaram a praça do Templo impura, esparramando aí ossadas humanas; reinava de ambas as partes ódio irreconciliável. Vê‑se então claramente que Jesus e o Evangelho de Lucas escolhem exemplos extremos" (JEREMIAS, 1976, p. 203). Segundo o historiador do primeiro século, Flávio Josefo, "os samaritanos armaram emboscadas para peregrinos que vinham às festas judaicas e o procurador Cumanus, subornado pelos samaritanos, não interveio. Assim judeus atacaram vilas samaritanas e massacraram seus habitantes” (GIUSEPPE, 1904, XX. 5,4).

Muitos acontecimentos contribuíram para piorar as relações entre os dois grupos, tais como, a construção de um templo samaritano sobre o Monte Garizin em 4 a.C., e que foi destruído pelos judeus sob o reinado de João Hircano em 129 a.C. Esse monte tem quase 3 mil metros de altitude e é muito mais imponente do que o Monte Sion, onde foi construído o templo de Jerusalém. A própria questão geográfica pode ter gerado ciúmes e críticas entre judeus e samaritanos. Também azedou as relações entre eles a finalização do Pentateuco Samaritano na segunda metade do 2º século antes da Era Cristã. O texto sagrado para os samaritanos se reduz ao Pentateuco (Torá), os cinco primeiros livros da Bíblia, com algumas diferenças da versão judeu-cristão. Eles também recusam os demais livros da Bíblia como textos inspirados.

Esse "ódio irreconciliável" entre os dois foi cultivado por quase mil anos de história. É possível que tenha se iniciado após a morte do rei Davi, com a separação dos reinos do Norte e do Sul, em 931 a.C, quando Roboão se tornou rei em Judá, com “duas” tribos, no sul, e Jeroboão se impôs como rei em Israel, nas “dez” tribos do norte. Esta separação foi forçada e violenta e certamente deixou muitas feridas (Cf. 1Rs 11,26-12,33). Em 722 a.C, o povo do Reino do Norte foi exilado para a Assíria. É provável que os judeus "sulistas" tenham cantado vitória dizendo: foram exilados, porque eram infiéis à Aliança e idólatras. A Assíria "repovoou" o norte da Palestina com pessoas das mais diversas etnias. No coração dos samaritanos nortistas pode ter ficado ressentimento. A vez dos judeus "sulistas" chegou entre 597 e 587 a.C., quando, após vários exílios, foram expatriados para a Babilônia. Os judeus do sul sentiram na pele aquilo que já tinha se passado com os "irmãos" do norte. Depois vieram as diversas tentativas de retorno para a Palestina, terra da promessa de Javé aos povos escravizados. A volta do exílio e o processo de reconstrução foram muito complicados, porque havia resistência dos judeus e samaritanos quanto à fixação novamente na terra. É a partir desta história que se entendem os diversos atritos e agressões que se sucederam entre ambos.

Nos tempos do rei Herodes houve um grande crescimento econômico, à custa de uma tremenda injustiça social. Muitas terras de judeus foram expropriadas no norte da Palestina, o que gerou uma massa de desempregados urbanos no sul, com consequentes distúrbios sociais inseridos em um contexto propício para a disseminação de insegurança social.

O samaritano apontado pela Campanha da Fraternidade de 2020 como modelo/exemplo a ser seguido era: um personagem anônimo; identificado pelo seu país de origem; estrangeiro; impuro e herege, segundo os judeus. "Está em viagem", no mesmo movimento que o sacerdote e o levita; não se sabe se ele ia ou vinha de Jerusalém e este detalhe é importante: tanto o assaltado, quanto o sacerdote e o levita viajavam no mesmo sentido, de Jerusalém para Jericó, mas é possível que o samaritano estivesse viajando na direção contrária. Isto pode significar que tinha suas responsabilidades pessoais; estava "em viagem" (de Jerusalém a Jericó?) trabalhando. Enquanto isso, o sacerdote e o levita estavam voltando de seu turno de trabalho no templo, em Jerusalém, e esta circunstância lhes daria maior disponibilidade de tempo.

Oxalá a Campanha da Fraternidade de 2020, na sua 56ª edição, nos ajude a perceber que há muitos padres, pastores e leigos assumindo, na condução de Igrejas, postura de sacerdote e levita: insensíveis aos clamores do povo injustiçado do nosso querido Brasil. Muitas vezes, com espiritualismos, puritanismos, vida cômoda e amputando a dimensão social do Evangelho de Jesus Cristo, esses falsos pastores ficam só na “toca” dos templos religiosos e se fazem de cegos diante dos clamores dos crucificados dos nossos dramáticos dias. Entretanto, existem, graças a Deus, muitas pessoas que são consideradas ‘impuras’, ‘hereges’, ‘de fora’ dos templos, ‘comunistas’ ... que, na prática, estão sendo solidárias assim como foi o “bom” samaritano. Ah! Este não fez solidariedade ingênua, assistencialista que gera dependência. Ele foi também profeta, pois exercitou um tipo de solidariedade que deixou brasas sobre a cabeça do sacerdote, do levita, do escriba (doutor da lei = teólogo) e, provavelmente, dos podres poderes políticos, econômicos e religiosos da época.

Referências.

FEUILLET, A. “Le bom Samaritain (Luc 10,25-37). Sa signification christologique et l’universalisme de Jésus,” EspVie 90 (1980), p. 345.

GIUSEPPE, F. Antiquités Judaiques. Paris, 1904, XX. 5,4.

JEREMIAS, J. As Parábolas de Jesus. São Paulo: Paulinas, 1976.

PALLARES, J. C. Dios es Puro Corazón, la misericordia de Dios en San Lucas. Messico, 1994.

1 - Sr. Joel Pereira Gonçalves, 100 anos nas ruas de Belo Horizonte/MG, bom samaritano. 20/4/17

https://youtu.be/-wV6qmkfW8I

2 - Palavra Ética na TVC/BH: Fernando de Gois, bom samaritano da Chacará 4 pinheiros/trecheiro. 20/06/16

https://youtu.be/SFsaTTwF-h0

3 - Fernando de Góis: de frei a Bom Samaritano de crianças a adultos na rua. (1a parte). 06/16/16

https://youtu.be/xqitxnTAyUo

4 - Fernando de Góis: de frei a Bom Samaritano de crianças a adultos na rua (2a parte). 14/06/16

https://youtu.be/OGe4JuI_Nes

5 - Fernando de Góis: de frei a Bom Samaritano de crianças a adultos na rua (3a parte). 14/06/16

https://youtu.be/VbtFJ7wWSi0

6 - Fernando de Góis: de frei a Bom Samaritano de crianças a adultos na rua (4a parte). 14/06/16

https://youtu.be/r0ekBA8w1PM

7 - Fernando de Góis: de frei a Bom Samaritano de crianças a adultos na rua (5a parte) 14/06/16

https://youtu.be/YUnAseLIqOU

Gilvander Moreira
é frei e padre da Ordem dos carmelitas; licenciado e bacharel em Filosofia pela UFPR; bacharel em Teologia pelo ITESP/SP; mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma, Itália; doutor em Educação pela FAE/UFMG; assessor da CPT, CEBI, CEBs, SAB e Ocupações Urbanas; professor de “Direitos Humanos e Movimentos Populares” em curso de pós-graduação

Nenhum comentário:

Postar um comentário