domingo, 12 de abril de 2020

A PÁSCOA QUE ENGRAVIDA O MUNDO

Um padeiro empilha matzah assado em uma padaria
 em Kfar Habad, perto de Tel Aviv (Jack Gueza/ AFP)

Cristãos celebram a Páscoa como sonho de uma vida nova que todo mundo busca
Para se proteger do vírus mortal que devasta o mundo e para ajudar os outros, médicos e enfermeiros têm métodos e ritos. Também a condução política da sociedade tem ritos. Esses vieram das práticas cultuais dos povos antigos. O rito é como ensaio ou treinamento. Através de símbolos, expressa o que as pessoas querem realizar no mundo. Quando em cerimônias públicas, cantamos o hino nacional ou saudamos a nossa bandeira, estamos, de fato, expressando o desejo de um país unido e livre. Do mesmo modo, nesses dias, Igrejas cristãs celebram a Páscoa para propor uma transformação da vida e do modo de organizar o mundo.
Reze conosco em Meu dia com Deus
A Páscoa é uma festa comum a duas religiões: o judaísmo e o cristianismo. Antigamente, a Páscoa era a dança com a qual as tribos indicavam que começou a primavera. Assim, a natureza se revestia de uma vida nova. De acordo com a Bíblia, foi durante os festejos de uma dessas festas de Páscoa, que, inspirados e conduzidos por Deus, escravos hebreus se libertaram do faraó do Egito. Cada ano, até hoje, as comunidades judaicas celebram essa festa para atualizar sua vocação para a liberdade. Dão graças a Deus que fez aliança com o povo oprimido para que toda pessoa seja livre e com direito a viver sua dignidade humana. Os escritos cristãos testemunham que foi, durante uma celebração anual da Páscoa judaica, que Jesus de Nazaré foi assassinado e foi em meio à celebração da Páscoa que os seus discípulos o descobriram vivo e vitorioso. Cada celebração pascal, tanto a vivida pelas comunidades judaicas, como que as Igrejas cristãs celebram, festeja a vitória da vida sobre a morte e da solidariedade sobre o desamor e isso não apenas para as Igrejas mas para todo o mundo.
Neste ano, a celebração judaica da Páscoa ocorreu na 5ª feira, 09 de abril, mesmo dia no qual as Igrejas lembravam a última ceia de Jesus e a instituição da eucaristia. Nesses dias, judeus e cristãos celebram essa festa  em meio à quarentena provocada pelo coronavírus. Por causa disso, as Igrejas foram obrigadas a retomar o costume do cristianismo primitivo das reuniões nas casas e das celebrações em pequenos grupos, de forma mais laical e sem depender totalmente de ministros ordenados.
Essa Páscoa deve dar à humanidade um recado especial: nosso Deus é Deus da vida e não da morte. É amigo da humanidade e como pai que nos ama com amor maternal é o primeiro a sofrer com o que nós sofremos. Nesses dias, ele deve estar se sentindo muito magoado com muitas orações que supõem que ele é culpado de alguma coisa de tudo isso que está acontecendo. E, coitado, na sua impotência, como diante da cruz do próprio filho, mesmo em meio às alegrias da Páscoa, ele chora. Como Jesus chorou diante do túmulo do amigo Lázaro. E faz o que pode fazer por nós: fazer florescer em nossos corações as sementes de amor e solidariedade para enfrentar o momento atual e vencermos.    
A celebração pascal contêm uma força capaz de transformar o mundo, até que cada pessoa que ama e tem fome de justiça e todo o universo sejam impregnados da energia amorosa dessa nova Páscoa. Um antigo hino oriental canta: “Se Jesus ressuscitou, seja como for, o mundo está salvo, aleluia”.
Por Marcelo Barros

Fonte: domtotal.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário