sexta-feira, 19 de junho de 2020

O PROFETA ISAÍAS E O CERNE DAS INJUSTIÇAS


Profeta Isaías representado por uma das esculturas
de aleijadinho em Congonhas, mg (Eric Gaba/ Wikimedia)
Uma das questões mais pontuais em Isaías é a crítica à injustiça social
A profecia de Isaías é uma das que mais ecoa entre os cristãos e cristãs, sobretudo no período próximo ao natal. A esperança da vinda de um cristo, por Isaías, fez com que os primeiros cristãos olhassem para jesus e enxergassem, nessa profecia, um cumprimento: jesus é o cristo, o messias, o ungido prometido. Há, também, outros elementos bastante marcados nos evangelhos, que têm a profecia de Isaías como base e inspiração. Mas há muito mais o que beber da fonte desse importante profeta, do século oitavo antes de nossa era comum.
Uma das questões mais pontuais Isaías é a crítica à injustiça social. Diferentemente de outros profetas contemporâneos à Isaías, tal como Amós e Miquéias, a crítica Isaiana à injustiça social tem um outro tom. Enquanto Amós e Miquéias conheciam profundamente o drama cotidiano dos camponeses, vítimas das mais variadas injustiças, Isaías vivia um outro contexto: conhecia bem de perto as elites responsáveis por tantas injustiças e abusos. É por isso que Isaías foi capaz de denunciar o âmago do problema.
A raiz do problema tem um aspecto individual e coletivo e Isaías reconhece essa raiz como sendo a ambição. E, assim, uma teia de injustiças é tecida, de modo que os planos de deus para aquele que era seu povo, estavam cada vez mais distantes de se realizarem. As elites, sobretudo política, religiosa e legal eram as primeiras responsáveis por provocar essa estrutura de injustiças, que acabava por afetar de morte aqueles que eram os últimos daquela sociedade: os órfãos e as viúvas, como representantes de todos os empobrecidos e empobrecidas.
Tanto tempo depois, a profecia de Isaías ainda tem muito a nos dizer. O sonho de uma sociedade justa alcança também as pessoas não religiosas, e a profecia de Isaías, nesse sentido, também dialoga com essas pessoas. Os tempos são outros, mas temos problemas de injustiça cada vez mais complexos e danosos e um olhar atento para a realidade é necessário, tal como aquele do profeta. Imersos num sistema econômico que oprime e mata, nós também podemos reconhecer que a raiz dos males sociais que nos assolam é a ambição, que gera a ruptura do coração, isto é, a corrupção. Com Isaías, no entanto, aprendemos também a ter esperança.
No dom especial desta semana, os três artigos apontam para a profecia de Isaías, chamando a atenção para aspectos importantes, sobretudo a esperança. Anderson Gonçalves abre a sequência, com o artigo o rompimento do coração humano na perspectiva de Isaías: a gênese da corrupção e seus impactos sociais, no qual propõe um interessante e oportuno diálogo entre a teologia do profeta e a psicologia. No segundo artigo, o profeta Isaías e os apelos de conversão e rompimento com as injustiças, Chrystian Garcez aponta para o elemento conversão, tão profundamente importante nos profetas, lendo a perspectiva salvífica, no horizonte messiânico que se cumpre em jesus. Randall Resende, no artigo esperança confiante: a atualidade da profecia de Isaías, reflete o contexto social próprio de Isaías, para mostrar a atualidade do olhar profético isaiano, para nossos tempos.
 boa leitura!
Felipe Magalhães Francisco é teólogo. Articula a editoria de religião deste portal. É autor do livro de poemas imprevisto (Penalux, 2015). E-mail: felipe.mfrancisco.teologia@gmail.com

Fonte:domtotal.com 


Nenhum comentário:

Postar um comentário