sexta-feira, 17 de julho de 2020

POR QUE PRECISAMOS DEFENDER FRANCISCO?

Papa Francisco chega sozinho à praça de São Pedro e reza pelo fim da pandemia, em 27 de março (AFP)
Porque, além de papa, ele é um exemplo de liderança que pensa no futuro do catolicismo

Cada vez mais, me surpreendo com o modo que Francisco conduz a Igreja. Sobretudo depois que estudamos a fundo a história dessa instituição complexa e milenar. Posso dizer que é um pontificado especial por várias razões. E para dar uma resposta à provocação feita pelo título deste artigo, argumentarei sem proposições "religiosas".

Muitos não se dão conta da força deste pontificado, justamente por interpretarem o catolicismo somente por meio de seus dogmas e normas canônicas. A instituição assume um papel na sociedade, e diferente das demais confissões cristãs, possui um "aparato estatal" que lhe permite exercer uma certa influência. O papa é, do ponto de vista secular, o soberano do Estado do Vaticano, e precisamos analisar, de maneira concreta - e menos apaixonada -, se ele tem conduzido bem ou não esse governo.

Às vezes, dá a impressão que o pontífice trave uma corrida contra o tempo para "colocar a casa em ordem". E essa postura é mais que compreensível, afinal, ele foi eleito para isso. O colégio de cardeais votou num candidato com personalidade forte o suficiente para assumir essa tarefa. E acertaram em cheio.

A meu ver, é um dos pontificados que mais acertam no quesito "gestão de crise". Francisco trabalha por antecipação, lutando contra uma estrutura bastante lenta e engessada, que arrasta consigo os vícios de uma trajetória, acumulados desde papado de Avinhão. Ele consegue dar respostas práticas para temas espinhosos, e é motivado não pelo afã de satisfazer as exigências da opinião pública; mas para garantir a sobrevivência do próprio catolicismo.

Durante esta pandemia, por exemplo, Francisco tem assumido um papel fundamental, demonstrando, através de suas próprias iniciativas, que a igreja não está alheia ao clamor da sociedade. E não só: quer ser a protagonista dessa rede de solidariedade e reconstrução. Por conta disso, o santo padre, incontestavelmente, é um líder muito respeitado fora dos sagrados palácios. E tem conseguido, com sucesso, chamar a atenção de muitas pessoas para a palavra da Igreja.

Não é difícil encontrar alguém que, mesmo sem professar a fé católica, tenha citado, ao menos uma vez, algo que ele tenha dito. Há o despertar do interesse pelo que o papa tem a dizer; aliás, tem sempre alguém na expectativa do seu parecer. E dessa vez - menos mal - não somente sobre assuntos ligados à religião. Francisco vê o cristianismo como "fermento na massa", como espaço de encontro, não como um antro de proselitistas, como Bento XVI já havia precisado. Ele quer convencer o mundo que o cristianismo ainda tem algo a dizer, mesmo que muitos de seus seguidores ainda o caricaturem e parte da sociedade ainda o rejeite.

O papa argentino concebe a cúria romana não somente como um organismo que coordena as ações da Igreja, mas um ente representativo desta mesma Igreja, que é romana e universal. Após os vários escândalos que acabaram ofuscando o pontificado brilhante de Bento XVI, os cardeais optaram pelo frescor de uma igreja "nova", como a latino-americana, de modo que, através dessa escolha audaciosa e sem precedentes, a credibilidade da instituição fosse, de alguma forma, resgatada. E nesse processo, escolheram um papa que pudesse dar mais ênfase aos fundamentos do cristianismo em detrimento da manutenção desse corporativismo eclesial estéril.

E abraçar uma reforma não é para qualquer um. Para se ter uma ideia, na história do catolicismo foram realizadas somente cinco grandes reformas da cúria romana. E Francisco coordena uma das mais audaciosas já realizadas. "Ir às periferias existenciais", que se tornou o mote deste pontificado, é também tocar nas mazelas da própria igreja. Apesar de ele ter a consciência, no tocante à reforma, que possivelmente serão seus sucessores a colherem seus frutos.

Os avanços diplomáticos de Francisco têm sido significativos. A começar pela lista de países que, até então, jamais tinham sido visitados por um pontífice. A reaproximação discreta com a China - visando a abertura de uma nunciatura apostólica que possa garantir a segurança dos cristãos do território -; a declaração de Abu Dhabi, que em parceria com as alas mais moderadas do islamismo, lança um apelo pelo fim do terrorismo e pela difusão dos valores inegociáveis e uma série de outras iniciativas servem para reforçar a importância do catolicismo para a sociedade. A passos lentos, a Santa Sé se arrisca muito mais que antes. Com perdas e ganhos, mas com aberturas que se refletirão no futuro. E a história comprovará isso.

Francisco é um papa a ser estudado com afinco. Precisamos estar atentos a cada palavra que ele diz, pois nenhuma é em vão. Todas as suas atitudes fazem parte de um projeto de "relançamento" do cristianismo, revolucionando a forma de concebê-lo a partir da sua própria essência.

As dificuldades que ele enfrenta ao assumir essa missão, não foram vividas com exclusividade por ele. A diplomacia corajosa de João XXIII levaram-no a enfrentar e vencer vários leões. A coragem diplomática de Francisco, por sua vez, se depara com os mesmos resistentes de sempre, que concebem a igreja como uma confraria, não como organismo vivo que é capaz de transformar a sociedade através do seu testemunho.

*Mirticeli Dias de Medeiros é jornalista e mestre em História da Igreja pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. Desde 2009, cobre o Vaticano para meios de comunicação no Brasil e na Itália e é colunista do Dom Total, onde publica às sextas-feira.

Fonte: Domtotal

Nenhum comentário:

Postar um comentário