domingo, 1 de novembro de 2020

A FELICIDADE DE JESUS

 


A todos propunha critérios novos, mais livres e radicais para criar um mundo mais digno e feliz (LUMO project)
Não é difícil traçar o perfil de uma pessoa feliz na sociedade que Jesus conhecia. Seria um homem adulto e saudável, casado com uma mulher honesta e fértil, com filhos do sexo masculino e terras ricas, cumpridor da religião e respeitado na sua cidade. O que mais se podia pedir?
Certamente não era este o ideal que animava Jesus. Sem esposa nem filhos, sem terra nem bens, percorrendo a Galileia como um vagabundo, sua vida não respondia a nenhum tipo de felicidade convencional. Seu modo de vida era provocador. Se era feliz, era de forma contracultural, ao contrário do estabelecido.
Na verdade, não pensava muito na Sua felicidade. Sua vida girava mais em torno de um projeto que o entusiasmava e o fazia viver intensamente. Chamava-lhe "reino de Deus". Aparentemente, era feliz quando podia fazer os outros felizes. Sentia-se bem a devolver às pessoas a saúde e a dignidade. Foi bom restaurar as pessoas para a saúde e dignidade que lhes tinha sido arrebatada injustamente.
Não procurava seu próprio interesse. Vivia criando novas condições de felicidade para todos. Não sabia ser feliz sem incluir os outros. A todos propunha critérios novos, mais livres e radicais para criar um mundo mais digno e feliz.
Acreditava num "Deus feliz", o Deus criador que olha para todas as suas criaturas com amor profundo, o Deus amigo da vida e não da morte, mais atento ao sofrimento das pessoas do que aos seus pecados.
A partir da fé nesse Deus, quebrava os esquemas religiosos e sociais. Não pregava: "Felizes os justos e piedosos, pois receberão o prêmio de Deus". Não dizia "Felizes os ricos e poderosos, porque contam com a sua bênção". O Seu grito era desconcertante para todos: "Felizes os pobres, porque Deus será a sua felicidade".
O convite de Jesus vem dizer assim: "Não procurem a felicidade na satisfação dos vossos interesses ou na prática interesseira da vossa religião. Sejam felizes trabalhando de forma fiel e paciente por um mundo mais feliz para todos".
Publicado originalmente por Religion Digital e traduzido por IHU.

Religion Digital
*José Antonio Pagola é padre e tem dedicado a sua vida aos estudos bíblicos, nomeadamente à investigação sobre o Jesus histórico. Nascido em 1937, é licenciado em Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma (1962), licenciado em Sagradas Escrituras pelo Instituto Bíblico de Roma (1965), e diplomado em Ciências Bíblicas pela École Biblique de Jerusalém (1966). Professor no seminário de San Sebastián (Espanha) e na Faculdade de Teologia do Norte de Espanha (sede de Vitória), foi também reitor do seminário diocesano de San Sebastián e vigário-geral da diocese de San Sebastián
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário