sexta-feira, 20 de novembro de 2020

O VATICANO DE FRANCISCO É CASA DOS POBRES

Papa Francisco inaugura centro de acolhida 'Palazzo Migliori', em 2019, destinado às populações carentes de Roma. (Arquivo/Comunidade Santo Egídio)

O papa transforma a sede da Igreja Católica num centro de caridade que já é referência em Roma

Quando olhamos para a suntuosa basílica de São Pedro, do século 16, considerada uma das obras barrocas mais impressionantes do período, vem à nossa mente o papa, os concílios e a genialidade dos artistas Michelangelo e Lorenzo Bernini. É quase impossível não associar a esses elementos. A Igreja, rodeada pelos edifícios que compõem o complexo do Estado do Vaticano, abriga, em seu subsolo, os restos mortais de São Pedro, o apóstolo que fora escolhido por Jesus para ser o chefe da Igreja Católica.

A casa de Pedro

A bíblia narra que, na casa de Pedro, em Cafarnaum, habitava um hóspede ilustre: Jesus Cristo. O Messias morou ali por um período para que pudesse exercer sua missão, que começou oficialmente quando ele completou 30 anos, de acordo com os evangelhos.

Sendo assim, podemos dizer que casa de Pedro, hoje, é o Vaticano. Entre idas e vindas ao longo da história, foi lá que o sumo pontífice, na pessoa de Pio IX, resolveu se estabelecer definitivamente em 1870. Desde então, o local tem sido palco de inúmeros eventos históricos. Foi lá que Pio XII, durante a Segunda Guerra Mundial, escondeu dezenas de judeus romanos que estavam na mira dos oficiais nazistas.

Para o papa Francisco, o local não é somente um centro administrativo ou espiritual. É casa de Jesus e de Pedro. O lugar onde ambos dividem o mesmo teto. Só que, desta vez, o "Pedro" é argentino e o Jesus é o pobre abandonado, de várias nacionalidades, que passa fome e frio nas ruas de Roma.

O papa abriu, nas imediações de seu pequeno Estado, vizinho às famosas "colunatas de Bernini", um posto de saúde para atender as populações carentes da capital. No local, também funciona uma barbearia e foram instaladas duchas com água quente, que ficam à disposição de quem precisa. E é justamente nesse prédio onde são distribuídos, desde a semana passada, testes de Covid-19 gratuitamente. Até agora, foram beneficiados não só os desabrigados da cidade, mas também os italianos que, por causa da pandemia, acabaram ficando desempregados.

Um hotel de luxo para os pobres

E quanto à mansão que o pontífice transformou em dormitório? Foi isso mesmo que você leu. Se chama Palazzo Migliori, um prédio histórico do século 18, cujo chão é todo em mármore e possui paredes repletas de afrescos. O local fica a poucos metros do Vaticano e estava destinado a se tornar um hotel de luxo.

A propriedade, que pertencia a uma família nobre da capital, foi doada à Santa Sé na década de 1930. Francisco suspendeu a venda e o transformou num dormitório com capacidade para abrigar 50 pessoas. O dinheiro arrecadado com a venda dos famosos pergaminhos que contêm a bênção apostólica pontifícia financiou todo o trabalho de reestruturação do prédio. Quem procura refúgio nesse centro de acolhida, tem direito a café da manhã, jantar, acesso à internet e pode consultar uma biblioteca repleta de livros interessantes.

O bispo de Roma em ação

Só na semana passada, o Vaticano, em parceria com alguns supermercados de Roma, distribuiu 5 mil cestas básicas às famílias de 60 paróquias romanas que se encontram em situação de dificuldade. Na "caixa de alimentos do papa" um bilhete assinado pelo pontífice e algumas máscaras de proteção. Além disso, foram distribuídas outras 350 mil máscaras aos estudantes da rede pública de ensino que vivem na periferia da capital.

*Mirticeli Medeiros é jornalista e mestre em História da Igreja pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. Desde 2009, cobre o Vaticano para meios de comunicação no Brasil e na Itália e é colunista do Dom Total, onde publica às sextas-feiras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário