sábado, 28 de novembro de 2020

OS AMIGOS DO DINHEIRO E DO PODER, INIMIGOS DA PAZ E DO AMOR ONTEM E HOJE

Lendo as páginas do Evangelho, nos deparamos com o filho de Deus que nasce pobre e desprezado pelos religiosos e poderosos do seu tempo. É a liturgia do tempo do Natal que muitas vezes passa despercebido por causa do consumismo  religioso de muitas luzes, enfeites  e incenso, que despreza os pobres de hoje e fingem fazer longas orações.

O cristão,  como toda pessoa humana, é templo do espírito Santo. Jesus segundo o livro sagrado na parábola do juízo final,  apresenta Jesus que se identifica com os sofredores deste mundo. Texto que geralmente  causa um frio na barriga, mas com a nossa insensibilidade passa despercebido  em nossas vaidades litúrgica e humana que despreza os sofredores dificilmente se atenta a este  "detalhe."

No  tempo quaresmal que começa com o texto  das tentações que  Jesus sofreu da parte de Satanás travestido de um grande conhecedor da palavra de Deus,  mas não praticante é de assustar. No tríduo pascal  rompe-se com toda lógica de poder, de lucro e dinheiro. Ele mesmo é vendido como escravo  para nos libertar das nossas escravidões.

O tempo pascal, o tempo por excelência,  nos lembra que o nosso medo do fracasso da cruz (discípulos de Emaús) é vencido  quando nos dispomos a acolher  o outro que abre nossos olhos  para a partilha e vence o medo de doar a nossa vida.

Hoje, os adoradores do dinheiro e do lucro perseguem todos aqueles que denunciam as injustiças sociais. O poder do testemunho do papa Francisco tem incomodado muita gente dentro e fora da igreja. O segredo do profetismo de todo cristão  e também do Papa Francisco é a tentativa de unir fé e vida, o que geralmente  andam por caminho opostos. Tudo isso ficou mais claro, quando ele anunciou uma proposta de uma economia que gere vida e não apenas lucros e exploração dos mais pobres.

Nos dias atuais,  mais do que palavras, os gestos concretos e atitudes  do Papa Francisco  tem  feito lembrar que os gestos e as palavras de Jesus Cristo podem ser vividas mesmo com todas as perseguições que dela decorrem sem perder a alegria.

Antonio Rodrigues.

Nenhum comentário:

Postar um comentário