quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

VACINA PARA VERGONHA

Postura antivacina, negacionista ou de furar fila da vacinação é antiético
Agrava a situação da pandemia o negacionismo que se recusa a reconhecer a letalidade do vírus (Jonathan Lins/Agência Alagoas)

Tânia da Silva Mayer*

O processo de vacinação no Brasil é uma vergonha para o povo do país e diante dos olhos estrangeiros. Um acontecimento de precedentes tão absurdos quanto à própria pandemia que o obriga, mas não o condiciona. O que acontece no Brasil hoje surpreende não pela realidade, mas pela excepcionalidade. Seguimos com a esperança equilibrista entre as pessoas que por má fé ou convicção continuam negando a ciência e a vacina e aqueles que sabendo não serem os destinatários da primeira dose não se intimidam em recebê-la no lugar de profissionais de saúde que estão atuando incansavelmente desde o início da Pandemia para salvar vidas.

Embora um feixe de luz tenha passado pela brecha aberta pelo trabalho rigoroso de médicos e cientistas, uma enxurrada de notícias falsas continua sendo compartilhada por aplicativos de mensagens provocando o caos da desinformação. Essa desinformação pode ser percebida na fala de negação de amigos e conhecidos que afirmam que não irão se vacinar tão logo seja possível, por não acreditarem na eficácia do produto ou mesmo por outras crenças facilmente refutadas. A esse grupo se somam mais radicalmente os negacionistas que não somente negam a pandemia como a altíssima letalidade do vírus e o cenário de guerra que países e regiões do mundo enfrentam há quase um ano. As ações desses grupos são catastróficas porque desmobilizam o acolhimento da medida mais eficaz contra a doença que segue devastando vidas por onde passa.

Mas as trevas são tão densas sobre o país que já poderíamos imaginar que a distribuição das pouquíssimas doses de vacina, além de se dar de maneira desorganizada, iria se encontrar com o péssimo hábito do "jeitinho brasileiro", que tolera diante de luzes e câmeras a corrupção dos que furam a fila da vacina, tomando a vez de quem deveria recebê-la por estar atuando decisivamente nesse momento. O que esperar de um povo que procura levar vantagem às custas do prejuízo dos outros? Foi muito ingênuo acreditar que viveríamos mais um momento da história sem presenciar o "que se danem os outros" ou o "eles que lutem" reverenciando a indiferença e o egoísmo de algumas pessoas.

Para um país de maioria cristã, essas posturas se configuram como um escândalo sem proporções. Conforme se pronunciou o papa Francisco, o assentimento de tomar a vacina é uma decisão ética, porque se trata da preservação da própria vida e da vida dos outros. Torna-se antiético, por sua vez, passar à frente de quem está nas fileiras do perigo da contaminação, deixando-os persistirem em graves situações de risco para a existência. Para a fé, a máxima é preservar a vida, precisamente entregar a própria vida, se preciso for, para que ela seja mais plena e abundante. Toda ação na contramão dessa máxima não é só vergonha, é atentado criminoso contra o próximo e a coletividade.

*Tânia da Silva Mayer é mestra e bacharela em Teologia pela Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE); graduanda em Letras pela UFMG. Escreve às terças-feiras. E-mail: taniamayer.palavra@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário