quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

PAPA FRANCISCO E O SOFRIMENTO HUMANO: "A DOENÇA SEMPRE TEM ROSTO"

O Papa pede-nos neste dia que «na necessidade de um irmão ou de uma irmã» imitemos o que fez Jesus, que com a sua vida «nos mostra um modelo de comportamento totalmente contrário à hipocrisia»
Diante de um irmão enfermo, o Papa propõe que “paremos, ouçamos, estabeleçamos uma relação direta e pessoal com o outro, sintamos empatia e emoção por ele, nos deixemos envolver em seu sofrimento até chegarmos a cuidar dele através do serviço. ”, Como vemos na parábola do bom samaritano
 Josep Miquel Bausset
Hoje, 11 de fevereiro, festa da Virgem de Lourdes , o Papa Francisco nos convida a celebrar o XXIX Dia Mundial dos Doentes com o lema: "Um só é o seu Mestre e todos vocês são irmãos " (Mt 23,8).
A mensagem do Papa Francisco por ocasião desta jornada (texto divulgado no dia 20 de dezembro, domingo IV do Advento), sublinha a atenção especial que devemos ter pelos “ enfermos e pelos que deles cuidam ”. O Papa nos lembra em seu texto “ aqueles que sofrem os efeitos da pandemia do coronavírus ” que sofremos há quase um ano.
O tema deste dia inspira-se na passagem do Evangelho, « na qual Jesus critica a hipocrisia de quem diz mas não faz » o que antes tinha dito que fariam (Mt 23,1-12). E é que, se houver uma falsidade entre dizer e fazer, a coerência entre o credo professado e a vida real é enfraquecida ".
O Papa pede-nos neste dia que « na necessidade de um irmão ou de uma irmã » imitemos o que fez Jesus, que com a sua vida « nos mostra um modelo de comportamento totalmente contrário à hipocrisia ». Diante de um irmão enfermo, o Papa propõe que “ paremos, ouçamos, estabeleçamos uma relação direta e pessoal com o outro , sintamos empatia e emoção por ele, nos deixemos envolver em seu sofrimento até chegarmos a cuidar dele através do serviço ”, Vemos na parábola do Bom Samaritano (Lc 10,30-35) 
Como nos lembra o Papa, “ a experiência da doença nos faz sentir nossa própria vulnerabilidade e a necessidade inata do outro ”. E é assim que, muitas vezes, “ quando adoecemos nos encontramos em situação de impotência, porque a nossa saúde não depende das nossas capacidades ”. É por isso que o Papa nos apresenta a figura bíblica de Jó, um homem que, em meio a seus sofrimentos, não só não se sentia acompanhado pela esposa e pelos amigos, mas era incompreendido por eles. Jó caiu “ em estado de abandono e mal-entendido ”. Mas « através desta fragilidade, escolhendo o caminho da sinceridade com Deus e com os outros », fez « chegar ao seu clamor insistente a Deus, que no final « lhe respondeu »,abrindo um novo horizonte ”de vida. Deus confirmou a Jó que seu sofrimento " não era uma condenação ou punição ", nem era " afastamento de Deus ou um sinal de sua indiferença ". O Papa também nos lembra que “a doença sempre tem um rosto ”, que é “ o de cada paciente ” e também “ o de quem se sente ignorado, excluído, vítima da injustiça social ”.
Um facto que todos verificámos nestes meses que vivemos com o coronavírus, como nos lembra o Papa, é que “ a actual pandemia tem mostrado inúmeras deficiências nos sistemas de saúde e deficiências no cuidado dos doentes ”. E, como nos diz o Papa, “ os idosos e os mais fracos nem sempre têm acesso garantido ao tratamento e nem sempre é eqüitativo ”, como vimos na terrível gestão da pandemia nos lares de idosos. Assim nos lembrou o jornalista Jesús Bastante em seu artigo (Religião Digital, 9 de fevereiro de 2021), sobre as declarações da Pontifícia Academia para a Vida, quando afirmou que “os idosos nunca tiveram que morrer assim ”, pois nesta pandemia“ foram tratados com crueldade ”.  
É preciso lembrar que a saúde é condicionada pelas " decisões dos que ocupam cargos de responsabilidade " . Por isso, como disse o Papa, “ investir recursos no cuidado e na atenção aos enfermos ” deve ser “ uma prioridade ligada a um princípio: a saúde é um bem comum primário ”.

Jesus doente
O Papa pede-nos neste dia que « na necessidade de um irmão ou de uma irmã » imitemos o que fez Jesus, que com a sua vida « nos mostra um modelo de comportamento totalmente contrário à hipocrisia ». Diante de um irmão enfermo, o Papa propõe que “ paremos, ouçamos, estabeleçamos uma relação direta e pessoal com o outro , sintamos empatia e emoção por ele, nos deixemos envolver em seu sofrimento até chegarmos a cuidar dele através do serviço ”, Vemos na parábola do Bom Samaritano (Lc 10,30-35) 

O Papa nos lembra da importância para o mundo da saúde " a abordagem holística da pessoa ". E também " a caridade de Cristo, conforme evidenciado pelo testemunho milenar de homens e mulheres que se sacrificaram servindo aos enfermos ". Além disso, como diz o Papa, “ da morte e ressurreição de Cristo nasce o amor que pode dar sentido pleno, tanto à condição do paciente como ao cuidador ”.
O Papa finaliza sua mensagem destacando um fato inquestionável: “ uma sociedade é mais humana quando sabe melhor cuidar de seus frágeis e sofredores membros ”.      
Neste XXIX Dia Mundial do Doente , precisamos tomar consciência da fragilidade em que se encontram tantos homens, mulheres e crianças, e mais ainda nesta pandemia que sofremos há quase um ano. É por isso que a nossa fraternidade, como disse o Papa no Angelus de domingo, 7 de fevereiro, deve manifestar-se na proximidade, ternura e compaixão " (Religião Digital, 7 de fevereiro de 2021) no afeto por todos aqueles que sofrem.    

 

Fonte: religiondigital

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário