quarta-feira, 7 de abril de 2021

A DECISÃO DE AMAR

O cristianismo se vive no exercício do amor ao próximo, que consiste mais em ações do que em palavras (Unsplash/Harli Marten)
Amar é sempre uma decisão de fazer o bem ao meu próximo
Fabrício Veliq*
A mensagem de Jesus é bem conhecida por todos que se dizem cristãos e que, em algum momento, leram os evangelhos. Ainda que muitas vezes não praticada, dificilmente alguém diria desconhecê-la. Ou seja, qualquer um que se professa cristão, ao ser perguntado sobre a mensagem de Jesus, tende a falar que esta trata do amor – ao próximo e a Deus. Desse modo, o seguimento à vontade divina envolve, necessariamente, uma atitude de amor frente ao mundo.
Contudo, mesmo sabendo e recitando isso, percebe-se que não são tantos assim os que estão dispostos a esse seguimento, o que se verifica tomando como prova nossa própria nação. Segundo o último censo, cerca de 80% dos brasileiros se nomeiam cristãos. Entretanto, somos um dos países de maior desigualdade social no mundo. Ora, tendo uma maioria declaradamente cristã, o Brasil não deveria ser um lugar onde os princípios do Reino seriam marca distintiva do viver de sua população? Sendo composto majoritariamente por seguidores e seguidoras de Jesus, não deveria ser um exemplo para o mundo de como é viver os princípios ensinados pelo Mestre?
Em outras palavras, ter uma população que se denomina majoritariamente cristã e, ao mesmo tempo, ser um país exemplo daquilo que Jesus não pregou – e, muito menos, viveria – é forte indício da distinção e separação abissal entre essa suposta profissão de fé e o seguimento real do Cristo.
Com isso em mente, pergunta-se: por que, afinal de contas o conhecimento da mensagem evangélica não se converte em prática? A meu ver, uma possível resposta está no fato de que amor não se dá pelo conhecimento dogmático ou, muito menos, doutrinal de determinada religião. Por mais que possamos, através de uma pedagogia do amor, mostrar como deve ser a sociedade desejada pela mensagem de Jesus, amar é sempre decisão que parte do indivíduo na direção do outro.
Essa decisão, por sua vez, não tem como ser forçada. Não há como obrigar alguém a amar o outro, assim como não há como amar por ele. Nesse sentido, a exigência de seguimento de Jesus demanda uma escolha que deve ser tomada por cada pessoa, individualmente.
Quando lemos nos Evangelhos o chamado de Jesus aos seus discípulos, o máximo que ele fez foi convidar: "Segue-me". A decisão de abandonar tudo e seguir partiu de cada um dos que o ouviram. Em nenhum momento houve chantagem, coerção, proselitismo, vingança pelo não seguimento. Ainda que os discípulos, em certa ocasião, tenham quisto atear fogo celeste, consumindo todos aqueles que não quiseram seguir a mensagem evangélica, Jesus os repreendeu afirmando que não sabiam sobre o espírito que os animava.
Assim, o seguimento de Jesus, que é o seguimento do amor – o que implica em buscar, na medida do possível, fazer sempre o bem ao próximo –, rompe com toda lógica meramente discursiva e condena todo discurso amoroso que não se mostra em atos.
Entre dizer que devemos amar uns aos outros e, efetivamente, amarmos uns aos outros é que se encontra o desafio do seguimento de Jesus. Só se aprende a amar amando e tal decisão é sempre individual, que ninguém pode tomar por mim. Ficar no campo do discurso, obviamente, é bem mais fácil. Porém, o que Jesus ordena a seus discípulos e discípulas é amar por meio de ações concretas que visam o bem da humanidade. E isso, necessariamente, demanda uma decisão da nossa parte.
Será que estamos dispostos a ouvir esse chamado ao seguimento do Senhor hoje?
O texto reflete a opinião pessoal do autor, não necessariamente do Dom Total. O autor assume integral e exclusivamente responsabilidade pela sua opinião.
*Fabrício Veliq é protestante e teólogo. Doutor em Teologia pela Faculdade Jesuíta de Belo Horizonte (FAJE), Doctor of Theology pela Katholieke Universiteit Leuven (KU Leuven), Bacharel em Filosofia e Licenciado em Matemática (UFMG). Autor do livro: Teologia no século 21: novos contextos e fronteiras. Editora Saber Criativo. E-mail: fveliq@gmail.com. Site: www.fabricioveliq.com.br.

 domtotal.com


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário