terça-feira, 29 de junho de 2021

VETO DE BRASILEIROS NA ALEMANHA FRUSTA SONHOS PROFISSIONAIS E ACADÊMICOS

A permanência do veto se justifica pela ameaça representada pela variante gama (P.1) (AFP)

Grupo que reúne mais de cem afetados recorre a Embaixada da Alemanha no Brasil

O estudante João Victor Prado, de 23 anos, recebeu uma oportunidade ímpar no último ano da graduação em Engenharia Aeronáutica na Universidade de São Paulo (USP). Prestes a entrar em um mercado com poucas oportunidades no Brasil, ele foi selecionado para um estágio na Airbus em Munique, na Alemanha, no fim do ano passado. Mas a conquista está ameaçada pelo veto do governo alemão à entrada de brasileiros no país, em vigor desde fevereiro.

"Após sucessivos adiamentos do início do contrato, a empresa comunicou que será cancelado se eu não chegar até o dia 15 de julho, para cumprir quarentena e começar em 1º de agosto. Estou vendo um sonho escorrer das minhas mãos. É uma situação horrível, e espero que se resolva nas próximas duas semanas", diz.

Sua angústia é partilhada por dezenas de brasileiros requerentes de vistos de longa duração para permanência na Alemanha. Os pedidos são relacionados a oportunidades profissionais e acadêmicas no país. Além de deixar sonhos pelo caminho, o impasse afeta a capacidade de planejar o presente.

Um físico de São Paulo, que prefere não ser identificado, deveria ter iniciado em abril o seu pós-doutorado na Universidade Técnica de Darmstadt, com bolsa oferecida pela instituição. Sua esposa, médica, pediu demissão do emprego antes da viagem, que não aconteceu. Sem renda no Brasil há mais de três meses, os dois aguardam uma resposta para o pedido de visto desde fevereiro.

"Cada semana de atraso significa uma diminuição das nossas reservas, sem nenhuma reposição dessas perdas. Minha pesquisa está relacionada com um acelerador de partículas. Geralmente, acontecem de três a quatro experimentos por ano, e estou prestes a perder o terceiro do qual deveria participar", conta.

Um grupo que reúne mais de cem brasileiros com pedidos de visto embargados levou a situação à Embaixada da Alemanha no Brasil. Em resposta enviada textualmente, o embaixador Heiko Thoms explicou que a permanência do veto à entrada de brasileiros se justifica pela ameaça representada pela variante gama (P.1), detectada inicialmente em Manaus.

Na mensagem, Thoms manifestou empatia com a situação vivida pelos requerentes de vistos, mas não deu sinais de esperança quanto a uma possível mudança de cenário: "Espera-se que a situação no Brasil se desenvolva de tal forma que a classificação do Brasil como área de variante do vírus e, como consequência direta, a proibição de transporte possam ser levantadas em um futuro próximo."

Em março, um dos momentos mais agudos da pandemia no Brasil, a entrada de pessoas provenientes do território brasileiro chegou a estar vetada em 114 países, dos 180 reconhecidos pela ONU. Recentemente, algumas nações europeias voltaram a emitir vistos de longa duração para brasileiros - casos de Holanda, Portugal e Suíça.

Oportunidade que não volta

Um dos grupos afetados pelas medidas restritivas é o de estudantes matriculados em universidades alemãs para programas de intercâmbio. Caso a restrição de viagem aos brasileiros se mantenha, a estudante Gabriela Sarmento pode ter que devolver a bolsa de intercâmbio oferecida pela sua universidade no Brasil caso não consiga entrar na Alemanha até agosto.

"Eu já estava matriculada e inscrita na moradia estudantil, com passagem comprada e seguro de saúde feito, quando veio o travel ban em fevereiro. Não viajei e fiquei sem estudar no Brasil. Como não consegui ir para a Alemanha, minha universidade exigiu a devolução da bolsa. Consegui negociar mais tempo, porém o início do próximo semestre letivo é o limite. A angústia continua", conta.

Entre os solicitantes de visto de longa duração, há também jovens inscritos em programas de trabalho voluntário e outros que buscam uma oportunidade para aprimorar o idioma, como cuidadores de crianças na Alemanha. Esta modalidade de intercâmbio, conhecida como au pair, concentra a maior parte dos pedidos.

Após encontrar uma família que irá acolhê-la no programa, a cientista social Luísa Cerqueira, de 26 anos, teve o visto au pair aprovado em fevereiro, após meses de espera. No entanto, seu passaporte está retido no Consulado do Rio de Janeiro desde então, devido à entrada em vigor da restrição à entrada de brasileiros naquela altura.

"A família tem sido compreensiva, mas já sinalizou que não poderá esperar muito tempo, devido ao retorno deles às atividades presenciais. Para piorar, estou no limite de idade para obtenção do visto au pair. Corro o risco de perder a oportunidade mesmo com a passagem comprada e o seguro de saúde encomendado", afirma.

Representante do grupo de brasileiros requerentes de visto, Luísa ressalta que os solicitantes estão dispostos a cumprir todas as medidas protetivas que o governo alemão estabelecer, como a testagem nos dois países e a quarentena fiscalizada na Alemanha. "Pedimos um pouco mais de sensibilidade do governo alemão conosco. Não estamos indo a turismo, nem escolhemos viajar neste momento. Para muitos, é uma oportunidade única, que não volta", diz.

"Muito complicado e doloroso"

Procurada pela reportagem da DW Brasil, a Embaixada da Alemanha se posicionou por meio de nota enviada pela secretária responsável por assuntos culturais, Sophie Böhm-Topchyan. Ela afirma que a decisão sobre a entrada na Alemanha é tomada com base em critérios puramente epidemiológicos.

"Esta decisão é revisada regularmente à luz do desenvolvimento da pandemia de covid-19 e de descobertas científicas. A Embaixada está em diálogo constante com as autoridades alemãs sobre as regras de entrada, que estão sendo coordenadas ao nível da União Europeia. A Embaixada e os Consulados Gerais estão também em diálogo constante com o Itamaraty sobre assuntos consulares", diz.

Na nota, a secretária avalia ser "muito complicado e doloroso" perceber que muitos brasileiros não conseguem concretizar seus planos na Alemanha. A porta-voz da Embaixada diz ainda esperar que tudo volte à normalidade em breve e que "as muitas conexões pessoais entre nossos países possam ser recuperadas o mais rápido possível". 

Domtotal

Nenhum comentário:

Postar um comentário