sexta-feira, 9 de julho de 2021

EDUCAÇÃO: DEFENFER O QUE AINDA NOS RESTA, UM DEVER DE FÉ!

É triste observar o orgulho de muitas pessoas, em relação à própria ignorância
Manifestação de estudantes por 'vida, pão, vacina e educação' na Avenida Paulista em março de 2021 (Roberto Parizotti/Fotos Publicas)

Felipe Magalhães Francisco*

A educação é caminho de libertação do humano. Fora dela não há jeito de a humanidade chegar àquilo que é próprio de sua potencialidade. É importante reafirmarmos isto, insistentemente, sobretudo quando estamos chafurdados na Era da Estupidez. Disse Umberto Eco que "as redes sociais deram voz a uma legião de imbecis". Ao mesmo tempo em que a internet quebrou o monopólio do discurso e da informação, um sem número de absurdos veio à luz. Pós-verdade e fake news povoam o cotidiano, que extrapolaram e muito o mero compartilhamento de whatsapp. É triste observar o orgulho de muitas pessoas, em relação à própria ignorância. A base de comprovação de uma realidade já não é sua atestação de veracidade, mas o fato de o sujeito concordar ou não com ela, pessoalmente.

A internet, no entanto, não é a causa. Ela tornou público o nosso fracasso societário, pelo menos no caso de nosso país, quando a educação sucateada é um projeto. Com as forças obscurantistas que controlam, politicamente, o Brasil, desde 2019, a destruição dos avanços conquistados em relação à educação é uma das bandeiras mais visadas. Orientadas pelo pensamento chucro de certa liderança ideológica que se apresenta como filósofo, o atual governo entrou em verdadeira guerra contra aquilo a que chamam de marxismo cultural. O resultado de tamanho absurdo é, entre outras coisas, a destruição total do investimento em ciência, caminho incontornável para o desenvolvimento do país e da sociedade. Enquanto isso, a Terra plana virou dogma...

Temos visto crescer, atualmente, o movimento em defesa da legalização do chamado homeschooling. Chama a atenção para o fato de que os principais defensores da prática são pessoas ligadas a um cristianismo obscurantista. O pós-cristianismo é uma realidade que chegou de forma perene: ainda assim, grupos reacionários neoapologistas insistem em sonhar com uma Cristandade absolutamente inviável para a sociedade contemporânea e oposta ao Evangelho de Jesus. Essa não é uma discussão pequena: não se trata de devaneios de malucos. Trata-se de uma cosmovisão que agora ocupa o poder, e que está atuando para firmar entendimentos já amplamente rechaçados por quem, de fato, entende de educação. Defender a educação é, sobretudo agora, garantir o futuro do país, já ameaçado por uma história tão desigual. Pessoas de (boa) fé têm o dever de se comprometer na busca por uma educação justa e libertadora e não somar voz a reacionários obscurantistas que correm o Estado brasileiro.

Reagir a todo este processo de desmonte e retrocesso é urgente. No Dom Especial da semana refletimos sobre a importância da educação para a construção de uma sociedade digna para todos os brasileiros e brasileiras. No primeiro artigo, Educação para a evolução das sociedade humanas, Robert Dantas reflete sobre a educação em ser bem mais que transferência de conhecimentos, ela é critério de desenvolvimento humano. Iago Pereira, no artigo Educação como instrumento para salvar o mundo, propõe a leitura da educação, a partir da compreensão de Bem. Por fim, Teófilo da Silva, no artigo O cristianismo e a sua urgência de uma educação para a libertação, ressalta a urgência de o cristianismo se comprometer com aquilo que o caracterizou em suas origens: uma educação a serviço da libertação.

Boa leitura!

*Felipe Magalhães Francisco é teólogo e professor. Coordena os especiais de religião deste portal. É co-autor do livro Teologia no século 21: novos contextos e fronteiras (Saber Criativo, 2020). E-mail: felipe.mfrancisco.teologia@gmail.com 

Domtotal 

Nenhum comentário:

Postar um comentário