terça-feira, 24 de agosto de 2021

IGREJAS METODISTA E VALDENSE ABREM SÍNODO COM MENSAGEM DO PAPA

Visita pastoral do papa Francisco ao templo valdense de Turim em 2015 (Vatican Media)

Sínodo retoma, após uma pausa por conta da pandeia, em parte presencial e em parte online

Francisco se faz presente na abertura do Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense, em Turim, com uma mensagem assinada pelo cardeal secretário de Estado Pietro Parolin dirigida ao bispo de Pinerolo e presidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo, dom Derio Olivero.

A saudação fraterna do papa se une à sua oração de louvor pela "abertura" e "conhecimento" que alimentam as relações mútuas. Nas palavras do pontífice, também a esperança de que todos os cristãos se esforcem para "continuar com generosidade no caminho da plena comunhão", testemunhando com alegria o Evangelho e promovendo "os valores da justiça, da paz e da solidariedade", com especial atenção para os "descartados".

O trabalho e os temas sobre a mesa

Os trabalhos do sínodo, que terminará em 25 de agosto, serão realizados em Torre Pellice presencialmente com a mesa valdense, a comissão de exame e as comissões administrativas, enquanto os membros do sínodo participarão remotamente através de uma conexão on-line.

Vários temas estarão na agenda, assim como duas consagrações programadas, do candidato ao ministério pastoral Gabriele Bertin e da diácona Monica Natali. Um amplo espaço será dado ao testemunho das Igrejas na sociedade pós-Covid, como explica o pastor Pawel Gajewski, relator da comissão de exames. "A pandemia nos marcou, causando criticismo, mas também fazendo florescer a resiliência e a solidariedade".

"Agora precisamos ver a que ponto nos encontramos e que horizontes estão se abrindo diante de nós. Precisamos fazer um balanço de nossos trabalhos diaconais e da relação entre a pregação e a diakonia. Falaremos da formação permanente, que deve ser orgânica, incluída nas agendas das igrejas locais, atenta à fisionomia e às necessidades de cada comunidade."

Outros temas importantes serão os programas para a juventude, a questão da saúde e a relação com a criação, também em referência aos dezessete objetivos da Agenda para o Desenvolvimento Sustentável de 2030, assinada por 193 países membros das Nações Unidas. E depois, entre outros, acrescenta Gajewski, "as celebrações de 2032, quinhentos anos após o Sínodo de Chanforan, em que os valdenses decidiram aderir à Reforma".

 Assim, no domingo, dia 22, às 10h, o culto de abertura no templo de Torre Pellice, presidido pelo pastor Winfrid Pfannkuche; depois, na segunda-feira, dia 23, uma noite pública organizada pela Mesa valdense sobre o tema "Próxima geração UE? Os jovens e a Europa entre o sonho da recuperação e o risco da marginalidade, e na quarta-feira 25 às 21h "Fronteiras diaconais" do jardim da Casa valdense sobre o tema "Pensamento teológico e diaconal".


Vatican News

 


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário