quinta-feira, 12 de agosto de 2021

TODOS OS DIAS SÃO OS ÚLTIMOS, PORQUE SÃO ÚNICOS


Há quem tema o fim do mundo, se deixe esmagar pela certeza de que um dia todos deixaremos de estar aqui. Em momentos diferentes, mas todos vamos deixar este mundo.

Há quem desespere com essa verdade que parece impedir a esperança.

Talvez a verdade seja que a vida não é para adiar, é para cumprir, da melhor forma possível, sem nos perdermos em tempos que não são os nossos, que não podemos alterar. O passado e o futuro escapam-nos, e quando nos demoramos a pensar neles, perdemos o presente. O hoje. A vida.

É certo que o dia do fim chegará, e haverá um dia antes desse. E se nesses, como nos anteriores, tivermos sido mais fortes do que os medos que nos paralisam e do que os egoísmos que nos impossibilitam de sermos melhores, então, se tivermos tido essa coragem, a nossa vida foi felicidade, apesar de todas as dores.

O que podemos esperar depois do fim desta vida? Creio que tudo. Não somos capazes de compreender o porquê de tudo, mas somos inteligentes o suficiente para que nos seja evidente que o mundo e tudo o que há nele, visível e invisível, não são o resultado de uma explosão sem sentido. Até pode haver acasos, mas não será tudo um acaso!

Este mundo está cheio de sinais simples de que tem sentido.

O tempo passa e nós com ele. Como se a existência fosse um enorme palco onde todos são livres de escrever o seu papel. Um palco num comboio que vai parando para que uns entrem e outros saiam. As estações não são o nada, mas outro mundo.

As certezas que não temos não são mais importantes do que a fé que podemos ter.

A minha vida não é o mal que me acontece, é o bem de que sou capaz. Viver é acrescentar.

Que eu aprenda a estar atento ao que brota de novo em mim… e não é para mim!

Que hoje seja diferente, que haja mais luz no mundo e que uma parte brote de mim!

José Luís Nunes Martins

In: imissio.net 30.07.21

Imagem: pexels/pixabay

Nenhum comentário:

Postar um comentário