terça-feira, 26 de outubro de 2021

EVANGELHO DE LUCAS: INSPIRAÇÃO PARA O SER CRISTÃO EM NOSSOS TEMPOS

O mergulho no Evangelho de Lucas é um contributo pedagógico importante para que não nos esqueçamos da verdadeira missão da Igreja (Priscilla Du Preez / Unsplash)
Mergulho no evangelho lucano é um contributo pedagógico para que não nos esqueçamos da verdadeira missão da Igreja que é chamada a viver uma fé enraizada e transformadora

Chamou a atenção de muitos e muitas, o fato de o papa Francisco conduzir seu ministério de pastoreio da Igreja de modo tão sensível, alertando as lideranças religiosas sobre a verdadeira natureza da Igreja: não uma natureza burocrática, alfandegária, presa em suas questões institucionais; e sim uma que se configura como hospital de campanha que acolhe os sofredores e sofredoras da história, as vítimas da injustiça de nosso tempo. Ao mesmo tempo que nos encanta tal chamamento à verdadeira missão da Igreja, estarrece-nos o fato de que há forte reacionarismo frente ao programa pastoral do atual pontífice.

O agressivo rechaço ao programa de Francisco é, em última instância, uma recusa da eclesiologia do Concílio Vaticano II, que tenta resgatar a vivência cristã, inspirada no modo dos primeiros cristãos e cristãs, de modo atento às interpelações do tempo moderno. Acreditam defender a Tradição, quando se perdem da verdadeira Tradição, enraizada no Evangelho, ao apegarem-se a costumes circunstanciais da história da Igreja. Há um imperativo ao qual não podemos nos furtar, em nossa contemporaneidade: ou voltamos às fontes da fé ou o cristianismo será, cada vez mais, uma estrutura obsoleta, sem qualquer contribuição para a transformação da realidade que vivemos.

Um dos pontos mais importantes desse retorno às fontes é a redescoberta do Evangelho como princípio norteador da vida cristã. Não é razoável que cristãs e cristãos continuem a ignorar o que fez nascer este estilo de vida, pautado no seguimento de Jesus: a esperança de que novas relações, pautadas no amor e na justiça farão do mundo o lugar para o acontecimento da verdadeira paz, o que Jesus chamou de Reino de Deus.

E se há, ainda, tanta opressão e dor provocadas pela injustiça, o papel da Igreja é cuidar dos sofredores e sofredoras da história, atuando com misericórdia. A misericórdia é um sinal dos mais efetivos do testemunho de quem experimentou a atuação salvífica de Deus, na pessoa de Jesus, por força do Espírito. Esse Deus que não abandona os seus, e que conta com o compromisso de mulheres e homens de boa vontade, é verdadeiramente digno de fé, para nossos tempos.

O mergulho no Evangelho de Lucas é um contributo pedagógico importante para que não nos esqueçamos da verdadeira missão da Igreja que é chamada a viver uma fé enraizada e transformadora, porque fruto com um Deus que é puro amor e que nos chama, a todos e todas à comunhão.

No Dom Especial desta semana temos a oportunidade de refletir alguns aspectos do evangelho lucano, como chamamento a uma atuação evangélica no mundo. No primeiro artigo, A pobreza no evangelho de Lucas, Fabrício Veliq retoma um dos pontos centrais da teologia-catequese lucana: a centralidade dos empobrecidos e empobrecidas, como primeiros destinatários da salvação. Anderson Gonçalves, no artigo Misericórdia: princípio ético segundo o evangelho de Lucas, aborda o importante tema da misericórdia, para além do sentimento religioso, colocando-a em seu fundamental lugar ético da atuação cristã no mundo, como testemunho da misericórdia do próprio Deus, manifestada a nós de modo definitivo em Jesus. Por fim, Daniel Couto, faz uma leitura da tão conhecida narrativa dos discípulos de Emaús, convidando-nos a refletir sobre a importância de vermos para além das aparências, como verdadeira atitude espiritual, no artigo Eles caminhavam sem ver.

Boa leitura!

*Felipe Magalhães Francisco é teólogo. Articula a Editoria de Religião deste portal. É autor do livro de poemas Imprevisto (Penalux, 2015). E-mail: felipe.mfrancisco.teologia@gmail.com 

Domtotal

Nenhum comentário:

Postar um comentário