terça-feira, 14 de dezembro de 2021

EU ACREDITO EM DEUS OU NAQUELES QUE ME FALAM SOBRE ELE?

"Eu confio em Deus ou me envolvo em outras questões secundárias?"
A Visitação

"Estamos vivendo em uma época em que cada vez mais a única maneira de realmente acreditar é muitos aprenderem a acreditar de outra forma"

“Para acreditar em Deus é necessário passar de uma fé passiva, infantil e herdada, para uma fé mais responsável e pessoal”

“Na fé nem tudo é igual. É preciso saber diferenciar o que é essencial e o que é acessório e, depois de vinte séculos, há muito acessório em nosso cristianismo”.


Estamos vivendo em uma época em que, cada vez mais, a única maneira de realmente acreditar é muitos aprenderem a acreditar de outra forma. Já o grande convertido John Henry Newman anunciava esta situação ao advertir que uma fé passiva, herdada e não repensada acabaria entre os educados na "indiferença" e entre os simples na "superstição". É bom lembrar alguns aspectos essenciais da fé.

A fé é sempre uma experiência pessoal. Não é suficiente acreditar no que os outros pregam sobre Deus. No final das contas, cada um só acredita no que realmente acredita do fundo de seu coração diante de Deus, não no que ouve os outros dizerem. Para acreditar em Deus é necessário passar de uma fé passiva, infantil e herdada, para uma fé mais responsável e pessoal . Esta é a primeira pergunta: acredito em Deus ou naqueles que me falam dele?
Na fé, nem tudo é igual. É preciso saber diferenciar entre o que é essencial e o que é acessório e, depois de vinte séculos, há muito acessório em nosso cristianismo. A fé de quem confia em Deus vai além das palavras, das discussões teológicas e das normas eclesiásticas. O que define um cristão não é ser virtuoso ou observador, mas viver confiando em um Deus próximo por quem se sente amado incondicionalmente. Esta pode ser a segunda pergunta: eu confio em Deus ou fico preso em outras questões secundárias?

Na fé, o importante não é dizer que você acredita em Deus, mas saber em que Deus você acredita. Nada é mais decisivo do que a ideia que cada um tem de Deus. Se eu acreditar em um Deus autoritário e justo, vou acabar tentando dominar e julgar a todos. Se eu acreditar em um Deus que é amor e perdão, viverei amando e perdoando. Pode ser esta a questão: em que Deus acredito: num Deus que responde às minhas ambições e interesses ou no Deus vivo revelado em Jesus?

A fé, por outro lado, não é uma espécie de "capital" que recebemos no batismo e de que podemos dispor para o resto da vida. A fé é uma atitude viva que nos mantém atentos a Deus, abertos a cada dia ao seu mistério de proximidade e de amor a cada ser humano.

Maria é o melhor modelo desta fé viva e confiante . A mulher que sabe ouvir a Deus do fundo do coração e vive aberta aos seus planos de salvação. A prima Isabel elogia-a com estas palavras memoráveis: "Bendita és tu, que acreditaste!" Abençoado é você também se você aprender a acreditar. É a melhor coisa que pode acontecer com você na vida. 

Religión Digital

Nenhum comentário:

Postar um comentário