segunda-feira, 14 de fevereiro de 2022

5 SINAIS DE QUE VOCÊ ESTÁ OUVINDO A VOZ DE DEUS (E NÃO O SEU EGO) EM ORAÇÃO

Uma mulher descansa as mãos nas páginas abertas de uma Bíblia. ((Kelly Sikkema/Unsplash))

Se as palavras são autênticas, atingem sua alma causando uma impressão indelével.


Palavras e frases às vezes podem surgir em nossa oração. No entanto, nem toda palavra ou frase que vem à sua cabeça enquanto você está orando vem de Deus. Para ser claro: não estou falando de ouvir palavras de maneira física, mas sim de intuí-las, de fazê-las entrar em sua consciência. Isso aconteceu tantas vezes na minha vida, na vida de amigos e na vida daqueles que me veem para a direção espiritual, que confio na experiência como realmente autêntica.

Mas é mais raro do que experimentar os outros frutos da oração, por exemplo, emoções, insights, memórias, desejos, sentimentos físicos e imagens.

Pode ser raro, mas talvez não surpreendente. Se estamos pensando na comunicação de Deus conosco em oração, por que Deus não usaria palavras apenas algumas vezes? Talvez isso não aconteça com frequência porque, mesmo durante a oração, a maioria de nós é muito autoconsciente para permitir que algo tão concreto quanto as palavras entrem livremente em nossas cabeças.

Além disso, se nos abrirmos às palavras, podemos acabar falando sozinhos. Se estivermos buscando uma resposta para uma pergunta específica, como "Devo mudar para um novo emprego?" podemos ser tentados a fabricar uma resposta ("Eu ouvi um sim?"), que seria incorreto atribuir a Deus. No geral, geralmente não somos livres o suficiente para permitir que Deus fale conosco dessa maneira. Nosso desejo por uma resposta geralmente atrapalha.

Mas, ocasionalmente, somos livres o suficiente para que Deus entre em nossa consciência com palavras ou frases que surpreendem em seu imediatismo. Em outras palavras, não é que Deus só possa fazer isso quando estamos abertos. Deus pode fazer isso sempre que Deus quiser, mas nem sempre estamos abertos o suficiente para ouvir Deus tão diretamente.

Muitos anos atrás, minha mãe me disse que estava olhando pela janela de sua casa e perguntou a Deus: "Você me ama?" Em sua mente vieram as palavras "Mais do que você pensa".

Da mesma forma, certa vez, em uma peregrinação em grupo à Terra Santa, eu estava lutando com um problema difícil. Certa manhã, levantei-me cedo para ver o sol nascer sobre o mar da Galileia. Decidi levar minhas preocupações diretamente a Jesus, enquanto contemplava as ruínas de Cafarnaum na costa abaixo de mim. Poucos segundos depois de trazer Jesus à mente e pensar sobre esse problema, estas palavras me vieram à mente: "O que é isso para mim?"

Foi completamente inesperado. Talvez porque estava apenas começando minha oração, eu ainda estava livre e despreocupado. As palavras pareciam contundentes e diretas, como muitas das palavras de Jesus nos Evangelhos.

Essas palavras pareciam me convidar a fazer esta pergunta: "O que é esse problema quando comparado ao seu relacionamento com Jesus?" Da mesma forma, o que é esse pequeno problema em relação à minha vocação, que parecia se espalhar diante de mim, como a vista do mar da Galileia, colorida em tons suaves de rosa ao nascer do sol? O que, de fato, era algum problema comparado ao que Jesus oferece?

No dia seguinte, no ônibus, outro peregrino me disse que tinha "ouvido" palavras em sua oração enquanto nosso grupo orava silenciosamente no Jardim do Getsêmani. Novamente, essa "audição" não é audível, mas semelhante a recordar um verso de uma música ou poema; as palavras simplesmente chegam e são sentidas ou intuídas.

Depois que voltamos para casa, quando perguntado, meu companheiro peregrino me escreveu sobre essa experiência:

No Jardim do Getsêmani, eu estava ciente do sofrimento de Jesus e lhe disse que muitas vezes lhe pedia coisas. O que queria de mim? E o ouvi responder sucintamente: "Suas orações e sua atenção". "Ouvir" é problemático nesses casos, como você sabe. Eu reconheço uma voz diferente da minha, mas ela não vem pelos meus ouvidos.

Para mim, isso soou autêntico. Ao falar com minha amiga, mencionei uma observação de Vinita Hampton Wright, autora de vários livros sobre espiritualidade. Na obra A voz de Deus, ela escreveu certa vez, tem o "anel da verdade". Parece algo que Deus ou Jesus diriam.

Como podemos ter certeza de que essas palavras vêm de Deus e não são simplesmente algo que fabricamos? Bem, nunca podemos ter 100% de certeza. Mas em minha experiência como diretor espiritual, essas palavras ou frases geralmente compartilham certas características. Pensemos nelas mais como diretrizes do que como regras:

Primeiro, são curtas. As palavras geralmente não são uma série de frases longas, mas são aforísticas: "Mais do que você pensa". "O que é isso para mim?" "Suas orações e sua atenção." Minha teoria improvável é que, como somos tão programados para embelezar e questionar, se essas experiências fossem mais longas do que algumas palavras, começaríamos a pensar demais nelas. Além disso, nossa abertura a esse tipo de comunicação geralmente dura apenas um momento. Uma vez que nos tornamos conscientes de nosso pensamento, nosso ego geralmente começa a atrapalhar.

Em segundo lugar, são surpreendentes. Quase sempre nos pegam desprevenidos. Quando estava diante do Mar da Galileia, não esperava nada. Não disse em minha oração: "Jesus, fale comigo". Esses momentos surpreendem não apenas no timing, mas no conteúdo.

Talvez o atributo mais notável seja que essas palavras não parecem vir de nós. "Não há como", as pessoas costumam dizer, "poderia ter inventado algo assim". Há uma sensação de que essas palavras vêm de fora de você; há uma alteridade sobre elas.

Terceiro, fazem sentido. As palavras se ajustam à sua situação, à pergunta que você tem feito a Deus ou às suas necessidades no momento. Se alguém tivesse ouvido as palavras que eu ouvi, "O que é isso para mim?", teriam dito: "Hum?" É verdade que às vezes a oração é misteriosa, mas no caso de palavras "sentidas", elas geralmente fazem sentido. E também são verdadeiras. Meus problemas não são nada comparados à minha vocação. Deus ama minha mãe mais do que ela sabe. E Deus quer a oração e a atenção do meu amigo. Ambos são adaptados à situação e verdadeiros. Em suma, fazem sentido.

Quarto, vão direto ao ponto. Alguns anos atrás, eu estava orando com a passagem em que Jesus está lendo as Escrituras na sinagoga de Nazaré. Em essência, Jesus diz a todos que estão reunidos que ele é o Messias. Em resposta, os ouvintes enfurecidos da cidade o expulsam da sinagoga, levam-no até o topo de uma colina mais próxima e tentam expulsá-lo.

Em minha oração, eu estava imaginando como Jesus podia proclamar suas palavras com tanta ousadia para todas as pessoas em sua cidade natal, quando provavelmente poderia prever que essas pessoas achariam suas palavras ofensivas. Se fosse eu, estaria preocupado com o que as pessoas poderiam pensar. Então, como Jesus pôde ser tão livre?

De repente, eu o senti dizer, claramente: "Todo mundo deve gostar de você?"

Geralmente, as palavras que vêm em oração vão ao cerne da questão. De fato, em sua franqueza, você poderia dizer que essas palavras soam como Jesus. Agora, a maneira como Jesus "soa" varia consideravelmente ao longo dos Evangelhos.

Nos Evangelhos de Marcos, Mateus e Lucas, Jesus geralmente fala em palavras fortes ou parábolas simples, enquanto no Evangelho de João fala frequentemente em frases prolixas, oraculares e às vezes repetitivas. Mas muitas vezes a franqueza das palavras intuídas na oração nos faz lembrar das respostas curtas e concisas de Jesus.

Quinto, deixam sua marca. Se forem autênticas, atingem sua alma causando uma impressão indelével. Eu estive pensando sobre as palavras "Todo mundo deve gostar de você?" nos últimos anos. Provavelmente foi o mesmo com os discípulos ao redor de Jesus, que nunca teriam esquecido suas palavras.

Ao ouvir, sentir ou intuir palavras, essas características são maneiras úteis de discernir se elas vêm de Deus ou de você.

*Este artigo foi extraído de Aprendendo a Orar: Um Guia para Todos.

Traduzido por Ramón Lara.

America Magazine

Escrito por James Martin, S.J., é editor geral da America. Ele é o autor, mais recentemente, de Aprendendo a Orar: Um Guia para Todos, agora lançado em brochura, do qual este artigo foi extraído. @jamesmartinsj 

Domtotal

Nenhum comentário:

Postar um comentário