sábado, 31 de dezembro de 2022

A GRATIDÃO DO PAPA A BENTO XVI: SÓ DEUS CONHECE SEUS SACRIFÍCIOS PELO BEM DA IGREJA

 Francisco citou Bento XVI na homilia das Vésperas.

"Com comoção, recordamos a sua pessoa tão nobre, tão amável. E no coração sentimos tanta gratidão: gratidão a Deus por tê-lo dado à Igreja e ao mundo; gratidão a ele, por todo o bem que fez e, sobretudo, por seu testemunho de fé e oração, especialmente nestes últimos anos de sua vida retirada. Só Deus conhece o valor e a força da sua intercessão, dos seus sacrifícios oferecidos pelo bem da Igreja", disse Francisco nas Vésperas na Basílica de São Pedro.
Bianca Fraccalvieri – Vatican News
Gratidão: este foi o sentimento expresso pelo Papa Francisco ao recordar Bento XVI, que morreu esta manhã aos 95 anos.
Celebrando as Vésperas na Basílica Vaticana, o Pontífice começou a homilia meditando sobre a frase extraída da segunda leitura, da Carta de São Paulo aos Gálatas: “Nascido de uma mulher”.
“Ele não nasceu em uma mulher, mas de uma mulher. É essencialmente diferente: significa que Deus quis ser da mesma carne dela”, explicou o Papa. Assim, ela começou o lento caminho da gestação de uma humanidade livre do pecado e repleta de graça e de verdade, repleta de amor e de fidelidade.
Este caminho prossegue até hoje, com o qual Deus nos convida a segui-lo através de inúmeras virtudes humanas. Entre elas, Francisco quis destacar uma: a amabilidade ou gentileza. E eis que aflorou a lembrança do Papa emérito:
“E por falar em amabilidade, neste momento, o pensamento se volta espontaneamente para o querido Papa emérito Bento XVI, que nos deixou esta manhã. Com comoção recordamos a sua pessoa tão nobre, tão amável. E no coração sentimos tanta gratidão: gratidão a Deus por tê-lo dado à Igreja e ao mundo; gratidão a ele, por todo o bem que fez e, sobretudo, por seu testemunho de fé e oração, especialmente nestes últimos anos de sua vida retirada. Só Deus conhece o valor e a força da sua intercessão, dos seus sacrifícios oferecidos pelo bem da Igreja.”
Retomando o conceito da amabilidade, Francisco afirma que se trata de uma virtude indispensável para viver em paz, a ser recuperada e exercida a cada dia para ir contra a corrente e humanizar nossas sociedades. Um antídoto contra algumas patologias, como o individualismo consumista, a crueldade e a ansiedade.
Essas "doenças" do nosso dia a dia nos tornam agressivos e incapazes de pedir "licença", ou "desculpa", ou simplesmente dizer "obrigado".
Quando encontramos na rua ou em uma loja uma pessoa gentil, disse o Papa, ficamos maravilhados, parece-nos um pequeno milagre, porque infelizmente a amabilidade já não é muito comum. Mas ainda existem pessoas gentis.
Estes então são os votos do Pontífice:
“Queridos irmãos e irmãs, penso que resgatar a amabilidade como virtude pessoal e cívica pode ajudar muito a melhorar a vida nas famílias, nas comunidades e nas cidades. A experiência ensina que ela, ao se tornar um estilo de vida, pode criar uma convivência saudável, pode humanizar as relações sociais dissolvendo a agressividade e a indiferença.”
Por fim, uma recomendação a venerar a Mãe de Deus. Para a celebração das Vésperas, estava na Basílica a imagem de Nossa Senhora do Carmo de Avigliano, no sul da Itália:
“Não subestimemos o mistério da maternidade divina! Deixemo-nos maravilhar pela escolha de Deus, que poderia ter aparecido no mundo de mil maneiras mostrando o seu poder, e ao invés quis ser concebido livremente no seio de Maria. (...) Não passemos apressados, paremos para contemplar e meditar, porque aqui está um traço essencial do mistério da salvação. E procuremos aprender o “método” de Deus, o seu respeito infinito, por assim dizer a sua ‘bondade’, porque na maternidade divina da Virgem está o caminho para um mundo mais humano.”

 Fonte: vatican News


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário