domingo, 5 de março de 2023

SÍNODO. IGREJA ALEMÃ: “MAIS ABERTURA A MULHERES, LEIGOS E PESSOAS QUEER"

Dom Georg Bätzing, presidente da Conferência Episcopal Alemã.(Vatican Media)

"As situações em que vivemos na Europa são diferentes", observa o presidente dos bispos alemães ao apresentar o Relatório nacional da Igreja na Alemanha. "Precisamos de respostas convincentes sobre como redescobrir e proclamar o Evangelho nestas situações". Dom Bätzing exorta: "não devemos nos separar. Trilhemos juntos no caminho que o espírito de Deus guia nossa Igreja: em muitos lugares, com muitas pessoas, de muitas formas. É um kairós da Igreja, sua sinodalidade, a ser descoberto e plasmado"
Vatican News
Mais participação e envolvimento das mulheres na vida da Igreja; mais voz para os leigos; uma busca de "novas formas" sobre as quais modelar o sacerdócio; um maior compromisso com o ecumenismo como uma questão que "a Igreja católica inteira deve ter a peito"; abertura às pessoas cujo "estilo de vida não se conforma às normas do catecismo, inclusive as pessoas queer".
Estas são propostas contidas no Relatório nacional que a Igreja na Alemanha apresentou na Etapa Continental do Sínodo, realizado em Praga, na República Tcheca, de 5 a 12 de fevereiro.
Enquanto se aguarda a publicação do documento final da Etapa Continental, os relatórios são publicados na página do encontro de Praga e, portanto, agora acessíveis a todos. Também é possível - diz o Conselho das Conferências Episcopais da Europa, que organizou a etapa sinodal europeia - rever os debates, que estão disponíveis na íntegra no canal YouTube do Ccee.
Contribuição da Igreja na Alemanha no caminho sinodal
 

 CCEE, compromisso com uma Igreja sinodal alimentada pela comunhão
A contribuição alemã foi apresentada por Dom Georg Bätzing, presidente da Conferência Episcopal Alemã. "Nós ouvimos e entendemos estas preocupações", disse ele. "Eu as compartilho pessoalmente. Minha tarefa como presidente da Conferência Episcopal Alemã é trazê-los para o processo geral que visa a renovação da Igreja".
Dom Bätzing lembrou que na Alemanha o caminho sinodal começou em 2019, quando uma investigação sobre abusos na Igreja "nos mostrou que existe uma pesada culpabilidade individual; muitos clérigos abusaram de seu poder e os responsáveis, não por último os bispos, acobertaram os delitos. Mas também existem causas sistêmicas do abuso de poder. Não podemos negá-las. Estamos determinados a tirar consequências: espirituais e estruturais".
Sinodalidade, um kairós da Igreja a ser descoberto e plasmado
"As situações em que vivemos na Europa são diferentes", observou Bätzing. "Precisamos de respostas convincentes sobre como redescobrir e proclamar o Evangelho nestas situações".
O presidente dos bispos alemães exortou: "não devemos nos separar. Trilhemos juntos no caminho que o espírito de Deus guia nossa Igreja: em muitos lugares, com muitas pessoas, de muitas formas. É um kairós da Igreja, sua sinodalidade, a ser descoberto e plasmado".
(com Sir)


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário