terça-feira, 20 de junho de 2023

SÍNODO, O INSTRUMENTO LABORIS: UMA IGREJA QUE ACOLHE A TODOS E NÃO ANULA AS DIFERENÇAS



Sínodo Logo
VATICANO
Foi publicado o documento orientador para os trabalhos da Assembleia Geral de outubro de 2023 e 2024 sobre o tema da sinodalidade. Dividido em duas macro-seções, ele é fruto de contribuições das etapas diocesanas e continentais e relata a experiência das Igrejas em todo o mundo que sofrem com guerras, desigualdades, pobreza, feridas de abusos.

Salvatore Cernuzio – Vatican News

Cerca de sessenta páginas com a experiência das Igrejas em todas as regiões do mundo que estão passando por guerras, mudanças climáticas, sistemas econômicos que produzem "exploração, desigualdade e 'descarte'". Igrejas cujos fiéis sofrem o martírio, em países onde são minorias ou onde se deparam "com uma secularização cada vez mais intensa e, às vezes, agressiva". Igrejas feridas por abusos "sexuais, de poder e de consciência, econômicos e institucionais", feridas que precisam de respostas e de uma "conversão". Igrejas que abraçam os desafios, sem medo e sem tentar "resolvê-los a todo custo", engajando-se no discernimento sinodal: "Somente dessa forma as tensões podem se tornar fontes de energia e não cair em polarizações destrutivas".

Hoje, 20 de junho, foi publicado o Instrumentum laboris, o documento que será a base para o trabalho dos participantes do Sínodo sobre a Sinodalidade, programado para ocorrer em outubro de 2023 no Vaticano e continuar até 2024. Um ponto de partida e certamente não um ponto de chegada, o documento reúne a experiência das dioceses de todo o mundo nos últimos dois anos, a partir de 10 de outubro de 2021, quando Francisco deu início a um caminho para entender quais passos tomar "para crescer como uma Igreja sinodal".

Portanto, um documento para o discernimento "durante" a Assembleia Geral, mas ao mesmo tempo de preparação "em vista" do encontro para os participantes e grupos sinodais: "o objetivo do processo sinodal", especifica, "não é produzir documentos, mas abrir horizontes de esperança".

O Instrumentum Laboris - apresentado nesta terça-feira (20/06) na Sala de Imprensa do Vaticano - é composto por um texto e quinze fichas de trabalho que trazem uma visão dinâmica do próprio conceito de "sinodalidade". Mais detalhadamente, há duas "macro-seções": a Seção A, na qual se destaca a experiência desses dois anos e o caminho a seguir para se tornar uma Igreja cada vez mais sinodal; a Seção B - intitulada Comunhão, Missão, Participação - que destaca as "três questões prioritárias", no centro do trabalho em outubro de 2023, ligadas aos três temas principais: crescer em comunhão, acolhendo a todos, sem excluir ninguém; reconhecer e valorizar a contribuição de cada pessoa batizada em vista da missão; identificar estruturas e dinâmicas de governança por meio das quais articular ao longo do tempo participação e autoridade em uma Igreja sinodal missionária.
Sala do Sínodo - Papa Francisco com os bispos

Enraizado nesse contexto está "o desejo de uma Igreja cada vez mais sinodal também em suas instituições, estruturas e procedimentos". Uma Igreja sinodal que é, acima de tudo, uma "Igreja da escuta" e que, portanto, "deseja ser humilde e sabe que deve pedir perdão e que tem muito a aprender". "O rosto da Igreja hoje traz os sinais de graves crises de confiança e credibilidade", lê-se de fato no Instrumentum laboris. "Em muitos contextos, as crises ligadas a abusos sexuais, econômicos, de poder e de consciência levaram a Igreja a um exigente exame de consciência para que, sob a ação do Espírito Santo, não deixe de se renovar, em um caminho de arrependimento e conversão que abre vias de reconciliação, cura e justiça."


Uma Igreja sinodal também é "uma Igreja de encontro e diálogo" com os crentes de outras religiões e outras culturas e sociedades. É uma Igreja que "não tem medo da variedade", mas "a valoriza sem forçá-la à uniformidade". Sinodal é, então, a Igreja que se nutre incessantemente do mistério que celebra na liturgia, durante a qual "faz experiência todos os dias de radical unidade na mesma oração", mas na "diversidade" de línguas e ritos.

Outras passagens significativas dizem respeito à questão da autoridade ("Ela se situa na linha dos parâmetros de derivação mundana ou na de serviço?", é uma das perguntas); a necessidade de uma "formação integral, inicial e permanente" para o Povo de Deus; o "esforço" para a renovação da linguagem usada na liturgia, na pregação, na catequese, na arte sacra, bem como em todas as formas de comunicação com os fiéis e com a opinião pública, também por meio de novas e antigas mídias. "A renovação da linguagem", afirma o texto, "deve ter como objetivo torná-la acessível e atraente para os homens e mulheres de nosso tempo, sem representar um obstáculo que os mantenham distantes". 

Vatican News 

Nenhum comentário:

Postar um comentário